segunda-feira, 4 de outubro de 2010

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

A história original de Rapunzel

Bem, então vamos falar também da versão adulta de Rapunzel. "Rapunzel" é uma palavra derivada da palavra alemã para rabanete, comida favorita da mãe de Rapunzel. Esta mãe convence seu marido a entrar num jardim proibido e roubar rabanetes. Ela quer desesperadamente o vegetal - sintoma de sua gravidez. O jardim é propriedade de uma feiticeira, que apanha do marido roubando. O marido explica a situação e, em vez de punição, oferece a feiticeira o bebê Rapunzel logo que nascer para o pagamento da transgressão.

A vida com sua nova mãe é boa até Rapunzel fazer doze anos. Então a feiticeira coloca Rapunzel em uma torre alta, que é impossível subir sem ajuda. Felizmente, Rapunzel tem um cabelo anormalmente comprido: quando a feiticeira visita Rapunzel para levar comida (e, presumivelmente, muito shampoo), a feiticeira fica ao pé da torre e grita: "Rapunzel, Rapunzel, deixe o seu cabelo, para que eu possa subir a escada de ouro". Rapunzel joga fora o cabelo e a feiticeira sobe a torre.


Um dia, um príncipe errante ouve Rapunzel cantando dentro de sua torre. Ele se esgueira para cima e vê a feiticeira chamando para subir a torre. Após a feiticeira sair, ele fica na torre, diz a fala da feiticeira e sobe cabelos de Rapunzel. Assim começa um namoro regular, e depois de algumas visitas e muito sexo, Rapunzel fica grávida. Não sabendo sobre os mistérios da gravidez e do parto, ela comete um erro. Na visita seguinte da feiticeira, Rapunzel pergunta porque o vestido está crescendo tão apertado em volta de seu estômago.
Na raiva, feiticeira corta o cabelo de Rapunzel e expulsa-a para um deserto nas proximidades. 
A feiticeira aguarda na torre o príncipe retornar. Quando o príncipe vem e sobe o cabelo, ele fica frente a frente com a feiticeira. Com medo e depressão de ter perdido Rapunzel, ele pula da torre, e cai em um espinheiro. Os espinhos perfuram seus olhos e e ele fica cego. Ele sai errante por uma floresta, lamentando sua má sorte e provavelmente fica sempre muito deprimido quando esbarra em árvores.

Rapunzel e o príncipe passeam separadamente por um tempo. Eventualmente, eles chegam perto o suficiente, porque um dia o Príncipe ouve Rapunzel cantando, assim como quando ele encontrou sua torre. 
Eles se reúnem, e as lágrimas de Rapunzel de alegria molham os olhos do príncipe, curando sua cegueira. O príncipe leva Rapunzel de volta ao seu reino. Neste ponto, podemos supor que a situação é "felizes para sempre", já que nada mais é dito sobre o que acontece a feiticeira ou aos filhos de Rapunzel.

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Quando Rapunzel começou a ficar infantil

Do blog Cintaliga, aqui vai uma das versões da Rapunzel contada por "Menina Eva". Apesar de ser um pouquinho diferente nos detalhes, já é uma versão infantil. Mas o início da versão adulta (os pais trocando o bebê por rabanetes) se mantém. É muito divertido a maneira como ela conta. Acompanhem:

"Eu tinha uma coleção de livrinhos coloridos. Eles vinham com fitinhas cassete da mesma cor do livro. Amarelo, laranja, verde, azul. Não lembro o nome nem a pau, mas a mamãe tinha muito carinho e cuidado com essa coleção minha.

Tinha a história d´A Galinha Ruiva, que plantava o trigo, colhia o trigo, levava até o moinho, e nenhum dos vizinhos ajudava. E então ela fez um bolo com a farinha, e todos os vizinhos queriam ajudar a comer o bolo - mas essa ajuda a galinha ruiva dispensou! Mamãe conta que eu não admitia que ela dissesse " A Galinha Ruiva". Lembro-me perfeitamente da minha teimosia: "É Agalinha Roiva, mamãe!"; hoje em dia, não tenho idéia sobre qual obscuro motivo está por trás dessa minha obstinação. O que é uma pena, eu gostaria muito de saber.

Minha história favorita desde sempre foi Rapunzel. E acho que virou minha história favorita por causa da versão deste livro. Eram desenhos lindos, estilizados. Fora o fascínio da própria história. A mãe da Rapunzel, uma grávida daquelas, teve desejo de comer os rapuns que nasciam no quintal da vizinha. [Na minha fitinha, a mãe da Rapunzel dizia: "Quero rapuns, querido. Rapuns. Rabanetes!" Pesquisando no Google, descobri que na verdade o nome em português seria rapúncio.]
A vizinha - que é uma Bruxa, CLARO - pega o pai da Rapunzel no flagra roubando os "rabanetes". E propõe uma troca muito justa: ele pega os rabanetes e ela fica com a criança que vai nascer. E o pai, pouco ligando pra conselho tutelar, topa.
A criança nasce, a Bruxa cumpre o acordo e leva a menina embora. E chama a menina de Rapunzel, que quer dizer... rapúncio! [E não rabanete! Passei minha vida acreditando nisso...]
A Rapunzel passou anos e anos trancada numa torre sem porta, só com uma janela no alto. E, como toda heroína de contos de fada, é a mulher mais linda do mundo - e é loira. Que ódio eu tinha disso. A Cinderela, a Barbie, a Marilyn Monroe, a Madonna. Todas loiras. Todas lindas. E eu, gordinha, de cabelo ruim.

Mas, mesmo sendo loira e linda, ela foi crescendo, e o cabelo crescendo junto. Ficou com o cabelo tão comprido, que a Bruxa o prendia em duas tranças, e subia na torre por ele, e descia também, de rapel. E eu ficava pensando na imensa paciência que a Bruxa devia ter com o cabelo da Rapunzel, e acabei concluindo que ela não devia ser tão bruxa assim.

E aí, a Rapunzel ficando sozinha quase o dia inteiro, cantava pra matar o tempo, já que ainda não tinham inventado as palavras cruzadas. Como também não existia cultura pop, ela não tinha platéia nem gravava cd's. Mas, um dia, um príncipe - que também não tinha palavras cruzadas pra resolver - estava cavalgando perto da torre e escutou a Rapunzel cantando. Ele era meio tímido pra pedir um autógrafo, então todo dia ele voltava pra ouvir mais um pouco.

Linda, loira, recordista de cabelo e ainda canta bem? A Rapunzel é o máximo.

Um certo dia, a Rapunzel interrompe o show pra deixar a Bruxa subir. E o príncipe vê toda a lenga-lenga, a Bruxa gritando a senha

- "Rapunzel, jogue-me suas tranças!"

E subindo pelo cabelo da menina. O príncipe achou aquilo muito engenhoso, e resolveu tentar também. Foi só a Bruxa ir embora que ele gritou a senha, e a Rapunzel - que é LOIRA, não esqueçam - saiu jogando o cabelo sem prestar muita atenção, e ainda LEVOU UM SUSTO quando viu um homem lá em cima no quarto dela.

Mas o susto foi breve. Foi só o Príncipe dizer que gostava do som que ela fazia que ela já se derreteu toda. A fama subiu à cabeça, e ela já foi fazendo planos sobre como o príncipe ia ajudá-la a descer dali. Todo dia, ele ia vir, gritar a senha, e subir trazendo um pedaço de pano, e ela ia tecer uma escada com os paninhos.

E porque ela não pensou em cortar o próprio cabelo, amarrar em algum lugar e descer por ele? Ela é LOIRA, não esqueçam.

O plano ia muito bem, obrigada. Mas a Rapunzel, LOIRA, um dia se distraiu enquanto a Bruxa subia e perguntou, loiramente:

- Porque a senhora é tão mais pesada que o príncipe?

Ela foi a pessoa que teve o maior cabelo loiro do mundo, relevem.

A Bruxa, sentindo-se traída, roda a baiana, corta o cabelo da Rapunzel [o que deve ter sido um trauma pavoroso] e joga a menina num deserto bem distante, sem passagem de volta. Fica esperando o príncipe aparecer e gritar a senha, joga a trança pra enganar o rapaz e empurra o cara lá de cima da torre. Ele cai bem em cima de um espinheiro e fica cego. [A figura do espinheiro era APAVORANTE no meu livrinho. E o barulho da queda? Brrr.]

Cego e sem namorada, o príncipe vaga durante ANOS [ANOS!], até que um dia, claro, na última pagina do livro, ele ouve a voz dela clamando cantando no deserto, e rola a maior emoção no reencontro.

E AÍ vem a minha parte favorita. A Rapunzel chora com o príncipe deitado no colo dela. E a pureza dos sentimentos dela é tão enorme, que as lágrimas dela CURAM a cegueira do príncipe, permitindo que eles vivam feliz para sempre, como deve ser com todo casal que se ama e enfrente dificuldades pra ficar junto.

Eu era simplesmente vidrada nesse final. O fato do amor da Rapunzel ser tão imenso a ponto de fornecer a ela poderes meio mágicos. O fato de a pureza dela ser ponto fundamental no final feliz.

Que o amor é realmente meio mágico, eu só vim aprender anos mais tarde. Mas talvez eu não tenha mais a pureza da Rapunzel, e por isso as minhas lágrimas não têm o poder de curar os machucados que causei.

Só que eu sou incorrigível: continuo acreditando em finais felizes".

Fonte: http://www.interney.net/blogs/cintaliga/2007/11/01/a_princesa_na_torre/

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Um parecer

Bom, para deixar os leitores do blog com algum parecer do que estamos fazendo:
Lemos o texto em conjunto. Passado um tempo da "finalização" do texto de É Uma Vez e Para Sempre, pudemos nos distanciar dele, lê-lo com impressões frescas. Percebemos que duas cenas estão fora da proposta do conjunto, atrapalhando o desenvolvimento do enredo. Conversamos todos e chegamos a conclusão de quais são as modificações mais interessantes. Resumindo: vamos retomar a escrita do texto.

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Trechinho do texto

Para dar um gostinho, aqui vai um trecho de "É Uma Vez e Para Sempre", a peça em fase de montagem da ACRUEL.

"MÃE: Não sou mais vedete. Não me sobra amor pra dar. O que me resta. O que vive após a morte. É dirigir este espetáculo. É a luz que me cabe. É o foco que é meu. Então eu começo pela sinopse. Mãe manda matar a própria filha. E come seus órgãos. Um pulmão novo. Um fígado novo. Um coração novo. Mãe já não é mais mãe. É só. Ela".

domingo, 26 de setembro de 2010

Temporada de novembro

Estão confirmadas as datas e horários da curta temporada de Espaço Outro em novembro deste ano. São apenas três dias e seis apresentações. Fique atento e não perca! Confira:

Dia 06 (sábado) às 14h, 16h e 18h.
Dia 09 (terça) às 15h e 18h.
Dia 10 (quarta) às 15h.

Será na Praça Santos Andrade. Nos vemos lá!


terça-feira, 21 de setembro de 2010

Fotos de Floripa

Equipe nos bastidores de Espaço Outro, que abriu o Festival Palco Giratório de Florianópolis.





quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Enrolados

Rapunzel, o clássico dos irmãos Grimm, ganha releitura 3D no início do ano que vem, mais precisamente dia 7 de janeiro, pelas mãos dos estúdios Disney. Rebatizada de “Enrolados”, a animação musical que conta a história de uma menina com mágicos cabelos dourados de mais de 21 metros de comprimento, vem com mais ação. Rapunzel, a princesa que foi raptada do castelo de seus pais quando bebê é mantida presa em uma torre e sonha com aventuras. Agora adolescente, ela realiza uma fuga com ajuda de um bandido. Com o segredo de sua linhagem pesando na balança e seu captor em seu encalço, Rapunzel e seu amigo encontram aventura, emoção, humor e cabelos… muitos cabelos.
Veja o trailer:


Fonte: http://juliapetit.com.br/category/home/

Começando

Começamos o trabalho de montagem de É Uma Vez e Para Sempre, que pretendemos que seja longo e intenso. Estamos ainda apenas estudando e conversando, para que possamos partir para a prática com as mesmas idéias e entendimentos. Estamos indo devagar já que resolvemos lidar com muita coisa. Na semana que vem, continuaremos com os estudos, mas começaremos em paralelo o treinamento de ator.
Estamos buscando uma base forte para que possamos colocar peso sobre ela. Estamos animados com o desafio!

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

O retorno de Espaço Outro


Depois de Floripa, a próxima parada de Espaço Outro é CURITIBA.
Isso mesmo, em novembro nossos conterrâneos terão mais uma oportunidade de assistir esta peça única.
É uma experiência forte para se viver!
Será na Praça Santos Andrade. Fiquem ligados e pra não perder!

Botões