quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

As Rainhas Malvadas de Branca de Neve

Há uns 7 meses figurava entre os sites de noticia que uma nova versão de Branca de Neve estaria nos planos da Relativity. Bem sete meses depois está confirmado e ninguém menos que Julia Roberts interpretará a Rainha Malvada no filme.
A adaptação chamará “The Brothers Grimm: Snow White”. A Relativity investiu pesado na intérprete da Rainha e agora terá que encontrar uma atriz interessante para o papel de Branca de Neve, que consiga roubar um pouco da atenção de Julia Roberts. O diretor Tarsem Singh começa a filmar em abril e a estréia está prevista para 29 de junho de 2012.
O filme será uma versão ousada e voltada para o público adulto da clássica fábula da Branca de Neve. A história começa com a madrasta da Branca de Neve matando o pai dela e destruindo o reino. Branca vai se unir ao grupo de sete anões para lutar pelos seus direitos. “Não será a Branca de Neve que seu avô conhece", disse o produtor Brett Ratner. "A roteirista Melisa Wallack voltou ao conto original e adicionou coisas que faltavam no filme de Walt Disney. No qual os anões eram mineiros e, na nova versão, serão ladrões. Existirá também um dragão que estava no conto original. Walt fez um dos grandes filmes de todos os tempos, mas o nosso será ousado e terá mais comédia. O original, por sua vez, era suave em comparação com o que vamos fazer", concluiu Ratner. "Este filme vai reunir os fãs do conto original e atrair novos públicos, que gostam de filmes de aventura", disse Kavanaugh.

Bem mas não é só isso há dois outros projetos em desenvolvimento sobre a mesma fábula.

A Disney prepara uma outra versão do conto em live action, intitulada “Snow and the Seven”. Michael Arndt, de "Toy Story 3" e "Pequena Miss Sunshine", foi contratado para roteirizar uma nova versão da história. Nenhum nome ainda foi anunciado no elenco, mas Natalie Portman tinha sido indicada como possível protagonista. Porém, a gravidez da atriz pode ser um empecilho para sua participação no longa. O filme será dirigido por Francis Lawrence. O longa irá se passar durante o século XIX na China. Na história, uma nobre inglesa viaja até Hong Kong para o funeral de seu pai, mas sua malvada madrasta está arquitetando planos diabólicos contra ela. A jovem consegue escapar para o interior do país, e refugia-se com sete guerreiros internacionais, que a ensinarão a lutar para vencer sua nêmesis.


Universal prepara “Snow White and the Huntsman”. Nessa releitura, o personagem do Caçador ganha maiores contornos do que no conto. Na história original, é ele quem leva a jovem Branca de Neve para a floresta a fim de matá-la, mas não consegue executar o comando da Rainha e acaba deixando a garota fugir. Já nesse filme, o Caçador torna-se mentor e protetor da princesa e a ensina a lutar para sobreviver. Depois a dupla embarca em uma jornada para derrubar a monarca. O Caçador será interpretado por Viggo Mortensen e Charlize Theron será a temível Rainha.
De acordo com o blog Heat Vision a atriz Kristen Stewart, protagonista da saga Crepúsculo, está no topo da lista das atrizes mais prováveis para o papel da Princesa. Mas a lista de candidatas para o papel inclui ainda Felicity Jones (“Brideshead Revisited – Desejo e Poder”), Riley Keough (“The Runaways”), Bella Heathcote (série “Neighbours”), a sueca Alicia Vinkander (“Till Det som är Vackert”) e Emily Browning (“O Mistério das Duas Irmãs”), que fez teste para o papel na semana passada. O blog diz que Stewart entrou para a lista sem nem precisar fazer teste para o papel. O filme será dirigido pelo estreante Rupert Sanders.

As novas madrastas de Branca de Neve

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Notícias

Novidades: agora a ACRUEL faz parte do Movimento de Teatro de Grupo de Curitiba, uma galera que tem tentado fazer da nossa classe artística uma organizada, que lute por seus interesses.
Para saber mais sobre o movimento: http://movimentodeteatrodegrupo.blogspot.com/

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Espaço Outro no Festival de Curitiba

Conheça as datas de Espaço Outro no Festival de Curitiba:
sextas (01 e 08/04) às 17h e sábados (02 e 09/04) às 15h.
Sempre na Praça Santos Andrade e com entrada franca.

Estaremos integrando o Coletivo Pequenos Conteúdos. Saiba mais em: http://www.pequenosconteudos.blogspot.com/

sábado, 15 de janeiro de 2011

A arte do ator

Além da questão da apoteose e da derrisão, exposta no post anterior, há outro elemento que nos interessa nos estudos de Grotowski, a sua compreensão da arte do ator:
"Paradoxalmente ele interpreta a si mesmo enquanto representante do gênero humano nas condições contemporâneas. Choca-se na sua palpabilidade espiritual e corpórea com um certo modelo humano elementar, com o modelo de um personagem e de uma situação, destilados do drama: é como se literalmente se encarnasse no mito. Não as analogias espirituais com o protagonista criado, não as semelhanças dos comportamentos, próprias de um homem fictício em circunstâncias fictícias. Desfruta o hiato entre  verdade geral do mito e a verdade literal do próprio organismo: espiritual e físico. Oferece o mito encarnado com todas as consequências, não sempre agradáveis, de tal encarnação.
Se - suponhamos - faz um comandante que morre em batalha, não procura reproduzir em si a imagem de um verdadeiro comandante que realmente está em agonia no tumulto do combate; não procura o que aquele pode sentir e como se comporta, para depois viver e reproduzir subjetivamente no palco de modo crível, orgânico este conhecimento de algum modo objetivo sobre os comandante agonizantes. Ao contrário, no próprio fato de que alguém se imagine como um comandante agonizante, poderá encontrar-se a própria verdade, o que pessoal, íntimo, subjetivamente deformado. E então, por exemplo, representará o próprio sonho de uma morte patética; a nostalgia de uma manifestação heróica; a humana fraqueza de sublimar-se às custas dos outros, desvelará as próprias fontes, uma após a outra, como se desnudasse o tecido vivo. Não recuará devendo violar a própria intimidade, os motivos pelos quais se envergonha. Ao contrário, o fará até o fim. É como se oferecesse - literalmente - a verdade do seu organismo, das experiências, dos motivos recônditos, como se oferecesse aqui, agora, diante dos olhos dos espectadores, em não em uma situação imaginada, no campo de batalha. E assim responderá à pergunta: como ser um comandante, sem ser um comandante? Como morrer em batalha, sem combater, nem morrer? Cumprirá o ato de desnudar-se dos próprios conteúdos secretos, de sacrificar as falsidades superiores sobre o altar dos valores" (p. 92-93).
Artigo A arte do Ator, de  Ludwik Flaszen. In O Teatro Laboratório de Jerzy Grotowski. São Paulo: Perspectiva/Edições SESC SP, 2010)

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Da dialética da apoteose e da derrisão

Desde o início, temos usado os termos grotesco e sublime para designar parte da nossa pesquisa. Mas há algum tempo percebemos que não era bem por aí, ou pelo menos não só isto. Recentemente, nos deparamos com a dialética da apoteose e da derrisão proposta e pesquisada por Grotowski no início da sua carreira. Acho que encontramos aí algo bem próximo das nossas questões:

"O cerimonial teatral é uma espécie de provocação. Uma provocação que tem a finalidade de atacar o inconsciente coletivo. Daí deriva o atuar com os opostos: expor coisas sublimes de modo bufonesco e, ao contrário, coisas vulgares de modo elevado (...). Daí o tom sagrado que oscila na fronteira entre seriedade e paródia: o achado preferido de Grotowski é a introdução de alusões litúrgicas no modo de falar e no gesto. E o tom blasfemo. A brincadeira perversa com as coisas sacras, o incessante cortejo de valores comuns e de convenções colocado em movimento circular em torno do eixo que tem por nome: inquietude ligada a visão de mundo. Eviscerado das suas imagens habituais, que o espectador perceba a relatividade e a bizarria dele. E o fato que - malgrado aquela relatividade e aquela bizarria - está condenado a elas" (L. Flaszen citador por Grotowski. O Teatro Laboratório de Jerzy Grotowski. São Paulo: Perspectiva/Edições SESC SP, 2010).

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Nosso treinamento de ator

Antes de iniciar o processo criativo da nossa próxima peça - É Uma Vez e Para Sempre - resolvemos nos trancar na sala de ensaio para nos exercitar, para trabalhar e esclarecer questões com relação a arte do ator que vinham nos perturbando há algum tempo e que queríamos que estivessem mais fundamentadas e bem resolvidas na peça que desenvolveremos. Passamos por práticas desenvolvidas pelo LUME TEATRO, treinamentos de AIKIDÔ e trabalho com o clown, trazidas por nossos colaboradores: Kysy Fischer, Larissa Lima e Heidy Mayumi.
Estamos nesta empreitada há apenas dois meses, mas alguns caminhos muito interessantes começam a ser apontados.
Abaixo, Renato Sbardelotto, ator integrante do projeto, fala sobre nossos anseios e nossas primeiras conclusões.

"Em nossos “treinamentos” buscamos novos caminhos para um dos grandes dilemas da arte da representação: a repetição. Juntos, em todas as tardes possíveis durante três a quatro horas (cerca de 15 horas por semana), trocamos idéias e práticas a respeito do corpo do ator, do nosso corpo, desse corpo que se coloca como ator quando chamado a assumir uma profissão. Sendo esta uma escolha maravilhosa e ao mesmo tempo muito nebulosa (amedrontadora), por estreitar limites às vezes tão delineados na sociedade entre o que se define por “arte” e o que se coloca como “vida”. Acho que somos capazes de entender certas coisas, de nos entender e, conseqüentemente, de entender o outro, o humano, por caminhos e com sentidos diversos que só através da “arte de ator”, ou da “arte do performer” - aquele que atua com a forma de seu próprio corpo -, pode-se entender. Entendendo que o corpo também é texto, meio e informação nele mesmo posso dizer que está incutida na arte do ator a leitura do corpo e o trabalho sobre a arqueologia do vocabulário do corpo.

Assim como a leitura de livros, textos ou qualquer enunciado escrito/ouvido nos alimenta de vocabulário para se expressar, a técnica que seguimos na ACRUEL parece se enveredar pelo mesmo caminho, pelo seguimento “leitura – vocabulário – expressão”. A exaustão corporal no treinamento de ator proporciona ações no corpo às quais ele não poderia prever, ou pensar em fazer, justamente por ter de pensar em muitas coisas ao mesmo tempo, em um espaço de tempo muito curto, muito rápido. É como se esse corpo-carne boicotasse o corpo-razão, que cotidianamente precisaria de mais tempo para processar informações, provocando linhas de encontro em direção ao que chamamos de corpo-mente. Determinados músculos ativados durante a realização do treinamento carregam memórias que esse corpo não encontra em estado consciente. O toque, ou a percepção da existência desse pedaço do corpo carregado, abre o corpo para um entender maior de si mesmo e, como conseqüência, um aumento de vocabulário consciente para o ato de representação.

A partir da leitura de textos sobre o trabalho de Jerzy Grotowski em seu Teatro Laboratório, nós, integrantes da ACRUEL, nos aproximamos de proposições e de termos aos quais tomamos para nosso próprio vocabulário de trabalho. Dentro desses termos são dois os que nos saltam ao olhar: espontaneidade e precisão; sendo estes provocadores do que denominamos de “verdade cênica”. Por que num dia a cena foi ótima e no outro não foi? Como repetir a mesma seqüencia de ações com potências semelhantes a cada dia de espetáculo? Como interligar treinamento e processo criativo? Como trabalhar emoções num treinamento aparentemente tão rígido? Como pensar a subjetividade de uma criação de cena e personagem em exercícios aparentemente tão objetivos?

O trabalho do ator sobre si mesmo parece ser o caminho ao qual seguimos atualmente, antes da inserção do texto e da criação de cena e personagens. Esse trabalho viabiliza o conhecimento e exploração de potenciais criativos na práxis diária do ator enquanto homem do mundo e enquanto homem no mundo, em relação direta com o ambiente: sala de ensaio, movimento da rua fora da sala, presença dos colegas em trabalho, noção do ambiente por inteiro - incluso ele, o ator. Em nossos encontros trabalhamos com fatores como: desenvolvimento muscular, precisão física, atenção, ritmo, respiração como condutora de energia, percepção da inteireza do corpo, mudança de foco de atenção, direcionamento de atenção e energia, tensão muscular, tracionamento muscular, relaxamento muscular, oposição muscular, enraizamento, controle de peso, noção do centro de gravidade, tridimensionalidade do corpo no espaço e troca de informação entre participantes. Esses fatores nos conduzem na exploração de exercícios derivados das praticas de colaboradores do grupo.

A repetição embebida de verdade apareceu em nossas discussões desde o início do projeto. Por colocar em jogo materiais/experiências de trabalhos anteriores adiantamos esse questionamento no desejo de criar um espetáculo que seja encontro possível para diferentes públicos; e ao mesmo tempo particular em suas escolhas.

Na atual fase do trabalho pudemos começar a responder nossos próprios questionamentos. Percebemos que a transição do treinamento físico ao processo criativo é mais subjetiva do que pensávamos. O corpo acostumado aos treinamentos diários e ao contato de determinados estados de energia passa a encontrar esses estados em um tempo menor e mantê-los ativos com mais sabedoria. Assim como experiências cotidianas grudam na pelememória do homem e o acompanha, a práxis assumida pelo grupo em fase de treinamento, inevitavelmente, se faz presente no corpo pós-treinamento. E é esse mesmo corpo que entrará
em processo criativo".

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Fotos da Virada

Confiram as fotos tirada pelo nosso amigo Danilo da peça Espaço Outro na Virada Cultural de Curitiba. 




















sexta-feira, 19 de novembro de 2010

A garota da capa vermelha

Quem ficou curioso em ver o resultado nas telonas de Red Riding Hood com direção de Catherine Hardwicke? Bem agora já dá para sentir o gostinho no trailer aqui abaixo:

O filme é uma adaptação de David Leslie Johnson da fábula dos irmãos Grimm em uma versão mais gótica e menos infantil. acaba de ganhar o seu primeiro trailer e pôster. O filme estreia em março de 2011(nos EUA).

Botões