sábado, 29 de novembro de 2008

As ruas de Bagdá ou Aranha marrom não usa Roberto Carlos


As ruas de Bagdá ou Aranha marrom não usa Roberto Carlos é um espetáculo sobre as várias visões que podemos ter sobre uma mesma situação, revelando um jogo ora divertido ora reflexivo. Poético e não realista, o público caminhará sob o fluxo do pensamento, como insights, flashes que se cruzam e permeiam uma só questão: O que vemos é realidade ou ilusão?
É um jogo interessante, parte cômico, parte trágico, que apresenta na metáfora da aranha, com até 08 olhos, as várias possibilidades de visões que temos e oferecemos o tempo inteiro. Parte-se do pressuposto de que a realidade é algo tão pessoal e único como as impressões digitais.
O texto surgiu, como um meio da ACRUEL Companhia de Teatro falar do cotidiano, de nossos questionamentos e visões sobre ele. Discussões tomadas de forma múltipla, pela própria subjetividade de cada componente do grupo, que se coloca e vê de forma diferente o mundo, resulta numa dramaturgia criada colaborativamente - através de source-work, improvisações e escrita automática.
O espetáculo já teve uma pré-estréia na 4ª Mostra Cena Breve em Curitiba, onde teve uma ótima recepção da crítica.

Botões