domingo, 29 de agosto de 2010

Opinião sobre Espaço Outro no Fentepp 2

Opinião de Lua Barbosa sobre a apresentação de Espaço Outro em Presidente Prudente.

Espaço Outro - ACruel Companhia

Teatro de rua, teatro na rua ou teatro para a rua?
"Eu nunca fui ao teatro, tô tão emocionada, tô até arrepiada, ó!" - disse uma moradora de rua, com os olhos brilhando, entrando na redoma acrílica. Vou chamá-la de Dona, pois agora ela também tornou-se uma personagem. Era uma caixa de acrílico a qual o público era convidado a entrar. E então começava o espetáculo. Para quem estava de fora, as pessoas lá dentro é que chamavam a atenção. Uns paravam, olhavam, questionavam. O que elas fazem espremidas lá dentro olhando para os lados? Uma narração nos orientava. "Alguém lê um livro" No chão, uma rosa dos ventos. A leste, a oeste, norte e sul - tudo acontecia. Um bando de vermelho dançando e cantando alegremente. Em algum canto da praça, uma moça chorava. Em outro, chovia! O público era direcionado a ações que aconteciam em toda a praça, seja entre os transeuntes, seja nos bancos, seja num espaço particular onde só os atores se encontravam. "Como eu faço pra ver, gente, eu sou baixinha!" - exclamou Dona, correndo entre as pessoas de norte a sul, leste a oeste e quase colando nas paredes para ver o que acontecia lá fora. "Alguém lê um livro". E é aí que está a grande questão: você já parou para ver o que acontece a sua volta? Alguém lê um livro. Alguém chora. Alguém briga. Outros brincam. Pode estar chovendo no dia de um outro. Acredito que esta é uma das provocações da Companhia, tanta coisa acontece a nossa volta e nunca estamos atentos. O público é colocado em destaque e dessa maneira ele atenta-se a sua volta. Tudo o provoca. Será que aquele moço de vermelho empurrando o carrinho de bebê faz parte da peça? Não! Meras coincidências que nos provocavam. Quando o casal se encontrou, Dona bateu palmas e sorriu, com os olhos marejados. Ao fim, uma descontraída coreografia com todos atores de amarelo, uma cor energética, a cor do verão (nada mais propício para Presidente Prudente!), e até aquele em que o dia era chuvoso, já havia aberto sol. Será que esse palhaço de amarelo também faz parte? Não! Meras coincidências que nos provocavam. O jogo das cores era o que diferenciava os atores dos cidadão comuns. Verde, vermelho, azul, roxo... cada cor para cada momento e local e estado. "Alguém lê um livro".

Botões