terça-feira, 14 de outubro de 2008

Meio

A narrativa podia acabar no meio. porque se ela começa no fim a ordem dos fatores não alterará o produto. Até porque ele já é conhecido. Porque na verdade ele é que vem antes.

Eu lembro o dia em que caminhávamos. Tínhamos algo em comum, Seu lenço da cor de minha blusa . E fazíamos o par perfeito Vinho tinto e verde alface. Você me buscava. Não queria que eu fosse alem. Tudo era jogo. Os pequenos e grandes mistérios eram ditos com o olhar. Não nada de rebeldia. eu só queria viver como quisessem. Sem me preocupar com nada. So queira Ver.

Gosto muito de fotografia a algo dentro daquela câmera escura que me prende. Começo e não termino mais. sempre quero mais uma foto. Seus pés ficam lindos em um fundo branco. E há um momento em que a câmera dispara sem meu controle. Eu gosto do recorte que aquele momento traz. Não importa o que vem antes ou depois. Gosto desse momento. Sem nada, só ele e pronto. O meu meio. Os meus meios são vários. Um atrás do outro, mas nenhum veio primeiro. Estão todos ali, misturados, em meio a tudo.
Eu gosto de olhar e me intrometer em tudo isso com uma lente que não me pertence. E um dia a historia será contada sob meu ponto de vista. E você dirá que na verdade não era assim, mas não importa porque palavras me dizem pouco que importa são imagens. Sou como são Tomé preciso ver para crer. Tenho um grande olho que capta tudo. Zoom de mais de 20X. posso ver alem. Não precisa explicar nada. O que quero na verdade é a lagrima que escorrerá.

Emanuelle Sotoski

Botões