quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Cena Breve

Qual personagem é inesquecível em nossas vidas? Quem é o ícone de uma geração? Com certeza dentre essas respostas não estavam Cinderela ou Chapeuzinho Vermelho. Mas depois de lembrá-las, pode-se descartá-las? Afinal todo mundo já sonhou em ser levada por um príncipe ou destruir dragões. O seu Era uma vez nos levam de volta a um tempo distante. Mas se em meio a isso tudo descobríssemos que Bela Adormecida acorda mãe de 2 filhinhos? E que fingir que o sapatinho servia não foi tão fácil assim? E porque não dar a madrasta algo mais que o coração de branca de neve? É a partir dos elementos macabros originais dos contos antigos - que eram construídos para os adultos - que aqui se propõe reviver estes nossos mitos. Em cena há uma grande miscelânea de referências transportando-nos a lugares onde tudo pode acontecer. Tudo isso através da narração entreposta de ação.

No fim o que se deseja é o desejo. Exacerba-se o prazer pelo consumo (em toda a sua abrangência). A crueldade misturada ao prazer é crescente e vai rivalizando com uma humanidade singela, silenciosa. Conclui-se com um grande êxtase. Uma redenção que compensa a trajetória vivida, uma grande celebração.

Botões