quinta-feira, 21 de agosto de 2008



Tu,
tu,

tu,

tu,

tu,

tu,

tu.

Quis pregar-te à teia da minha conversa,
mas só recebi um sinal de ocupado.

Quis pegar carona em teu andar ligeiro,
mas disseste: “pernas, para que te quero”.

Quis culpar a rede de telefonia,
mas, por fim, não há nem sinal de culpado.

Encontrei pegadas, mas não vejo o rastro
neste emaranhado de sinais de trânsito.

Botões