sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Há coisas que não precisam ser ditas

Há coisas que não precisam ser ditas. Estão todas ali. Vc tem todo o material de que precisa. E como num quebra-cabeça vai montando peça por peça. Mas aqui não há regras, vc organiza como quiser. As escolhas são suas.

Por favor, não me diga com palavras. Não com as óbvias. Eu quero o inesperado. Eu não preciso ver sangue pra ver que acabou, balas já me dizem isso.

No fundo eu não quero que vc me diga nada. Quero que vc se vá. Simplesmente desapareça. Pronto. Acabou. E só assim poderei sonhar. Pensando que na verdade vc não me deixou. Não. Na verdade você foi atingida após uma batida violenta entre dois carros em que um deles perdeu o controle enquanto atendia a uma ligação boba, nada importante demais. E que enquanto os carros viravam na da pista, tudo que vc tentava era se proteger. Mas o um dos pára-choques, que agora não vem ao caso qual, atingiu suas pernas. E seu corpo foi projetado pra cima. Vc voou por alguns segundos. Na queda, seu crânio não foi forte o suficiente pra suportar o choque. Provocando uma rachadura que fez seu cérebro desmanchar na pista em meio a vidros quebrados e sangue. Uma morte instantânea e sem despedidas. Essa é uma possibilidade que não descarta a em que você pode ter tomado um copo de veneno que não era pra vc. Simples e letal. Sim, eu poderia facilmente pensar assim. Mesmo com os armários limpos.

A minha imaginação preencheria as lacunas como eu quisesse. No fundo eu espero que vc não diga. A coisas já são óbvias demais.

Emanuelle Sotoski

Botões