terça-feira, 9 de setembro de 2008

O VELUDO DA FALA

A – E se o Djavan morresse?
C – Seria lembrado.
B – Não sei. Memória é uma coisa falha.
A – Por quê?
B – Cada pensamento é uma queda de braço.
...
C – Uma queda de braço?
B – Uma queda de braço com um antigo pensamento. Pra ver quem permanece.
...
A – E a aranha?
B – A aranha o quê?
A – E se a aranha morresse?
...
B – Nada.
A – Nada?
B – Nada, nada, nada.
C – Nada, de vazio?
B – Nada, de nada. A aranha morre, e pronto.
...
A – E a pedra?
C – É, e se a pedra morresse?
B – A pedra não nasce nem morre.


“Diz que pedra não fala.
Que dirá se falasse.”
Djavan

Botões